Assine o boletim informativo
Fazer sua inscrição
#249Janeiro 2022

Rosatom em 2021: destaques

de volta ao conteúdo

A Rosatom trabalhou arduamente não só para atingir os objetivos traçados para 2021, mas também para garantir a promoção dos planos estratégicos. O ano foi de sucesso: as receitas externas cresceram, foram assinados acordos para futuras construções, vários projetos foram concluídos, novos foram lançados, destinados a tornar a energia nuclear mais sustentável e econômica. Vamos falar sobre os resultados de 2021.

Agenda internacional

O resultado mais importante do ano passado é que o mundo começou a perceber cada vez mais a energia nuclear como um elemento-chave da geração livre de carbono, disse Alexei Likhachev, diretor geral da Rosatom, comentando os resultados do ano no setor.

A indústria nuclear recebeu muita atenção na conferência da ONU sobre mudanças climáticas, que aconteceu em novembro em Glasgow. O relatório da UNECE ajudou a fortalecer a posição dos cientistas nucleares: as usinas nucleares geram a menor quantidade de emissões equivalentes de dióxido de carbono entre todas as fontes de geração – 5,1 a 6,4 g/ kWh. Em comparação, os parques eólicos geram de 6 a 147 g/kWh e as usinas solares de 8 a 122 g/kWh, dependendo da tecnologia utilizada.

Em setembro, sob os auspícios da AIEA, foi criado o Grupo de Viena – um clube informal dos principais players do mercado nuclear global, que se tornará “uma plataforma para dialogar e encontrar soluções ótimas para problemas globais otimizadas por meio do uso eficiente e sustentável da tecnologia nuclear e apoio à inovação na indústria nuclear“. A organização inclui 13 das organizações mais influentes da indústria nuclear, incluindo a Rosatom. “O Grupo de Viena se reunirá regularmente e discutirá os desenvolvimentos recentes no campo nuclear para determinar como eles podem contribuir para superar os principais desafios, incluindo o combate às mudanças climáticas e a melhoria da saúde pública. O Grupo apoiará a AIEA em sua missão de expandir e aumentar a contribuição para o desenvolvimento de tecnologias nucleares para alcançar objetivos ambientais, sociais e econômicos, melhorar a saúde e o bem-estar das pessoas”, diz a declaração de fundação no site da AIEA.

Negócio tradicional

Em 2021, a empresa Rosenergoatom (parte da Rosatom) gerou mais de 222,4 bilhões de kWh de eletricidade. Este é o valor mais alto entre todas as empresas de energia na Rússia. Se, em vez da usina nuclear da Rosatom, essa eletricidade fosse produzida por estações a carvão, as emissões seriam superiores a 111 milhões de toneladas.

No final de dezembro, começou o comissionamento físico do segundo bloco da NPP da Bielorrússia. Em 27 de dezembro, a estação anunciou a conclusão bem-sucedida do carregamento de combustível nuclear no núcleo – um total de 163 conjuntos. À frente está o trabalho de montagem e vedação do reator com testes hidráulicos, transferindo a planta do reator para um estado quente e trazendo-a para um nível mínimo de potência controlada.

O projeto de modernização da usina nuclear da Armênia foi concluído. Para aumentar a resistência sísmica, os edifícios e estruturas foram mais do que duplicados em termos de força. O sistema de resfriamento do núcleo de emergência foi atualizado, a piscina de combustível usado foi reparada e, o mais importante, o tratamento térmico do vaso de pressão do reator foi concluído. Em janeiro de 2021, o governo armênio adotou um programa estratégico para o desenvolvimento do complexo energético, que inclui a geração nuclear. O país planeja construir uma nova unidade.

O ano passado foi um sucesso para os negócios da corporação estatal – vários projetos internacionais importantes foram concluídos ou fizeram progressos significativos. Assim, no final de dezembro de 2021, a Rusatom Overseas (parte da Rosatom) anunciou a conclusão bem-sucedida dos testes da linha de produção como parte da construção do Centro de Pesquisa e Tecnologia Nuclear na Bolívia. A linha produzirá fluoroglicose, que é usada na tomografia por emissão de pósitrons para a detecção precoce do câncer. Os trabalhos de comissionamento estão sendo concluídos no complexo pré-clínico cíclotron-radiofarmacológico e no centro de irradiação multiuso. Os trabalhos de construção e instalação estão em andamento no complexo do reator e nos prédios dos laboratórios (terceira e quarta etapas do Centro de Pesquisa e Tecnologia Nuclear).

Em dezembro, o governo sérvio e a corporação estatal assinaram um acordo para a construção de um centro de ciência e tecnologia nuclear neste país balcânico.

A Exposição Nuclear Mundial em Paris foi um grande sucesso para a Rosatom. Os principais gestores da estatal e suas empresas associadas realizaram negociações comerciais e assinaram diversos documentos importantes para o desenvolvimento dos negócios. Assim, a Rosatom, o Comissariado de Energia Atômica e Fontes Alternativas de Energia da França (CEA) e a EDF francesa assinaram uma declaração de intenção de desenvolver uma cooperação de longo prazo no campo da pesquisa e desenvolvimento em energia nuclear. A estatal firmou um acordo com a Framatom que prevê a ampliação e o desenvolvimento da cooperação de longo prazo na produção de combustível e a criação de sistemas de controle de processos, além de atuação conjunta em novas áreas.

A TVEL (a divisão de combustíveis da Rosatom) celebrou acordos com a francesa ROBATEL Industries, D&S Groupe.

“Novos” negócios

A Uranium One Holding NV (parte da Rosatom) celebrou um acordo com a Alpha Lithium Corporation do Canadá para estabelecer uma joint venture para desenvolver o projeto de lítio Tollilar na Argentina. O negócio é especialmente importante para a estatal porque este é o primeiro projeto de exploração de lítio em sua estrutura.

A RENERA (parte da Rosatom) adquiriu uma participação de 49% na fabricante sul-coreana de células de bateria de íons de lítio e dispositivos de armazenamento, a Enertech International Inc., garantindo assim uma base de componentes para o desenvolvimento de negócios no segmento de sistemas de armazenamento de energia elétrica.

Em geral, nos últimos 10 anos, a receita da Rosatom no exterior dobrou. De acordo com dados preliminares, será de pelo menos 8,4 bilhões de dólares (os dados exatos serão conhecidos mais tarde).“Este é um recorde“, ressaltou Alexei Likhachev, lembrando que até 2030, mais da metade da receita deve ser gerada a partir de pedidos estrangeiros. Atualmente, é mais de 40%.

A Rusatom Overseas assinou vários acordos na área da energia do hidrogênio com a Air Liquide e parceiros russos.

Energia russa

Em 2021, o governo da Federação Russa aprovou uma taxonomia “verde”, que também incluiu projetos na indústria de energia nuclear, em contraste com a União Europeia. Apesar da evidência objetiva dos benefícios do átomo no fornecimento de eletricidade estável e livre de carbono (o que é especialmente importante durante a crise de energia que está acontecendo agora na Europa), os políticos europeus não incluíram o átomo em sua taxonomia até o final de 2021. Somente em 31 de dezembro do ano passado, a Comissão Européia encaminhou aos Estados membros da União uma minuta de Ato Delegado Complementar de Taxonomia, que incluía gás e energia nuclear, e iniciou consultas com especialistas. A Comissão Europeia deve considerar as propostas dos especialistas e adotar o documento até o final de janeiro de 2022.

Na Rússia, o Esquema Geral atualizado para localização de instalações de energia elétrica até 2035 com perspectiva até 2040 prevê a construção de 16 unidades de energia nuclear até 2035. A Rosatom cria unidades de referência na Rússia, que depois oferece a clientes em todo o mundo. Em particular, unidades VVER-TOI com características técnicas e econômicas aprimoradas e o reator rápido BREST-300 já estão sendo construídos na Rússia, que desenvolverá tecnologias para um ciclo de combustível fechado e a criação de um sistema de energia nuclear de dois componentes que seja mais seguro e mais ecológico.

A criação de quatro pequenas unidades flutuantes para fornecimento de energia do Baimsky GOK começou. A empresa está localizada na Rússia, mas o proprietário final é a KAZ Minerals no Cazaquistão. Este é um projeto internacional.

Em 2021, cinco parques eólicos foram colocados em operação. A capacidade total dos parques eólicos de propriedade da Rosatom é de 720 MW. O plano para 2022 é comissionar mais 280 MW, e até 2024, 1,7 GW. A NovaWind (divisão de energia eólica da Rosatom) pretende entrar no mercado internacional como fornecedora de unidades e como desenvolvedora, e já está em negociações.

Ecologia

A Rosatom elimina consistentemente instalações nucleares e de radiação. Esta atividade torna o meio ambiente seguro tanto na Rússia quanto em outros países.

Em Chelyabinsk, um aterro municipal de resíduos foi recuperado, o antigo aterro se transformou em uma colina verde. Como resultado, a qualidade de vida de mais de 1 milhão de moradores de Chelyabinsk melhorou, as emissões na atmosfera da cidade foram reduzidas em 30%, os odores desagradáveis ​​desapareceram e o fluxo de chorume nocivo para o Rio Miass da cidade parou completamente.

Muito trabalho está acontecendo no Ártico. No ano passado, o combustível nuclear usado foi completamente removido da base técnica flutuante de Lepse. O acordo final do desmantelamento do Lepse é o transporte do pacote de blocos de proa do navio para uma instalação de armazenamento de longo prazo na Baía de Saida, prevista para 2022. O pacote de alimentação já se encontra nesse local.

O combustível irradiado está sendo extraído e transportado para reprocessamento da instalação de armazenamento de Andreeva Bay. Em 2021, uma tarefa importante foi concluída – seis conjuntos danificados foram removidos, o que não permitiu reabilitar a antiga piscina de combustível irradiado.

Cerca de 900 conjuntos já foram removidos de Gremikha, onde é armazenado o combustível nuclear usado de submarinos nucleares.

Digitalização

A Rosatom lançou no mercado um novo produto digital, Logos Platform, que facilita o uso de uma combinação de software Logos e produtos de software de terceiros.

Um grande passo à frente foi dado na criação de um computador quântico – um computador quântico de quatro qubits baseado em íons de itérbio foi criado. Os pesquisadores conseguiram desenvolver o sistema sem aumentar o número de íons, mas usando a tecnologia de dimensionamento do processador quântico original. “Este é um avanço para a ciência doméstica”, assegura Aleksei Likhachev.

Rota do Mar do Norte

Em 2021, um novo recorde foi estabelecido para o transporte de cargas na Rota do Mar do Norte: cerca de 34,85 milhões de toneladas. Em 2020, o volume de negócios de carga foi de quase 33 milhões de toneladas. Houve um aumento significativo no trânsito. 86 navios passaram pela Rota do Mar do Norte, dos quais 75 estavam sob bandeira estrangeira. Transportadoras alemãs, norueguesas, suíças e chinesas transportaram mais de 2 milhões de toneladas. Em 2020, o volume de trânsito foi de 1,3 milhão de toneladas.

Em 2021, a Rosatom propôs ao governo russo a criação da Grande Rota do Mar do Norte – da Noruega no Mar de Barents até a Península Coreana. Presume-se que a Grande Rota do Mar do Norte proporcionará navegação durante todo o ano, aumentará o volume de tráfego de cabotagem entre as regiões do noroeste da Rússia e do Extremo Oriente e, em geral, criará um corredor marítimo permanente entre os portos do Noroeste da Europa e do Leste Asiático para trânsito euro-asiático de contêineres. “O governo apoiou o projeto de criação da Grande Rota do Mar do Norte“, – disse Alexei Likhachev.

Em novembro-dezembro de 2021, os quebra-gelos Atomflot ajudaram a libertar do gelo quase duas dúzias de navios mercantes, incluindo estrangeiros. A ajuda veio em tempo hábil. “Nenhum dos tripulantes ficou ferido e os próprios navios não deram um sinal de SOS.“, – disse o diretor da Rosatom.

Em 2021, o quebra-gelo líder do Projeto 22220 Arktika retornou após reparos, iniciado em 18 de dezembro, e em 1º de janeiro foi concluída a escolta de uma caravana de navios com carga até Pevek para grandes projetos de investimento em Chukotka. O primeiro quebra-gelo serial do mesmo projeto, o Sibir, entrou em operação em 24 de dezembro e começará a operar na Rota do Mar do Norte, conforme esperado, em fevereiro de 2022.