Setor energético até 2050: o parecer russo
Assine o boletim informativo
Fazer sua inscrição
#278Julho 2024

Setor energético até 2050: o parecer russo

de volta ao conteúdo

A Agência Russa de Energia (REA) do Ministério da Energia da Rússia publicou um relatório “Cenários para o desenvolvimento da energia global até 2050” (doravante referidos como “Cenários 2050”). Esta é a primeira previsão pública russa em muito tempo sobre a situação do setor energético global. Apresenta resultados de simulação em três cenários.

Os pré-requisitos para a criação dos “Cenários 2050” foram várias tendências. Em primeiro lugar, a redução da pegada de carbono do complexo global de combustíveis e energia tornou-se uma das questões mais importantes no discurso sociopolítico e industrial dos últimos anos. Em segundo lugar, o leque de avaliações dos peritos sobre a dinâmica do mercado da energia, expresso em várias previsões, revelou-se muito vasto. Assim, as previsões para o consumo de gás natural em 2050 variam de 500.000 milhões de m3 a quase 8 trilhões de m3, e a participação das fontes de energia renováveis difere em 71 pontos percentuais (de 13% para 84%).

Hoje é importante formar nossa própria visão do futuro, que reflete todos os aspectos do desenvolvimento energético global e as prioridades nacionais não apenas da Rússia, mas também de outros países“, explicou o diretor-geral da REA, Alexey Kulapin, em seu discurso de boas-vindas. As características que distinguem as abordagens para a formação de cenários são a natureza exploratória e o apartidarismo em favor de um resultado pré-formulado, bem como o desejo de garantir a variabilidade das previsões com vários pressupostos sobre a escolha de tecnologias para a produção e consumo de vários tipos de combustível e energia.

Os “Cenários 2050” baseiam-se no fato de que a descarbonização se tornou um imperativo para o desenvolvimento energético global. No entanto, embora o objetivo seja claro, os caminhos para alcançá-lo são diferentes. Muitas tecnologias de redução da pegada de carbono estão em um estágio inicial de desenvolvimento. Além disso, o custo de alcançar a neutralidade de carbono até 2050 (meta do Acordo Climático de Paris) ultrapassa 6% do PIB global, o que retira recursos da realização de outros objetivos de desenvolvimento sustentável. Conforme aponta o estudo, os cenários publicados anteriormente não representam totalmente os custos financeiros necessários.

Há três cenários no relatório da REA. O primeiro é “Business as before” (mantendo os negócios da mesma forma como eram feitos anteriormente), o segundo é “Rational Technical Choice” (escolha técnica racional), o terceiro é “Net Zero” (zero emissões líquidas de carbono). Eles foram desenvolvidos para 11 macrorregiões, sendo uma delas a Rússia. O ponto de partida é 2022 e os gráficos são estruturados por décadas, a partir de 2000.

Situação global

No geral, o consumo global de combustíveis primários e recursos energéticos aumentará 37%, de 2022 a 2050, no cenário “Business as before” (para 18,6 bilhões de tep – tonelada equivalente de petróleo). No cenário “Rational Technical Choice”, aumentará 15% (para 15,7 bilhões de tep), e apenas em um cenário “Net Zero”, diminuirá 9% (para 12,4 bilhões de tep).

As emissões de CO₂ e metano provenientes do uso e produção de recursos energéticos no cenário “Business as before” aumentarão 26% até 2050 (para 42 bilhões de toneladas de CO₂-eq), no cenário “Rational Technical Choice” diminuirão 34% (para 21,9 bilhões de toneladas de CO₂-eq), e no cenário “Net Zero”,  74% (até 8,6 bilhões de toneladas de CO₂-eq).

Uma tendência claramente visível é o rápido crescimento do consumo de eletricidade e hidrogênio. O consumo de eletricidade aumentará 87% (até 3,8 bilhões de tep) no cenário “Business as before”; em 2,3 vezes (até 4,9 bilhões de tep) no cenário ” Rational Technical Choice” e 2,5 vezes no cenário “Net Zero” (até 5,4 bilhões de tep).

Para quase todos os principais tipos de combustíveis primários e recursos energéticos, surge uma tendência clara. Para carvão, hidrocarbonetos líquidos, gás e biocombustíveis, o cenário “Business as before” tem as maiores taxas de consumo, enquanto o cenário “Net Zero” tem as menores taxas de consumo. No caso das usinas hidrelétricas, eólicas e solares, ocorre o contrário.

Previsões de energia nuclear

Para a energia nuclear, não há uma tendência clara, de acordo com as previsões. Assim, no cenário “Business as before”, o consumo de energia gerado pelas usinas nucleares em 2050 será de mais de 1,17 bilhão de tep, no cenário de “Rational Technical Choice”, quase 1,13 bilhão de tep, e no cenário “Net Zero”, em torno de 1,93 bilhão de tep. No entanto, em comparação com 2022 (700 milhões de tep), o crescimento ocorrerá em ambos os cenários. Assim, no cenário “Rational Technical Choice”, de 2022 a 2050, a geração global de eletricidade em usinas nucleares aumentará 56%, e no cenário “Net Zero”, 166%. Até 2050, no cenário “Net Zero”, a necessidade de energia nuclear supera em 71% a do cenário “Rational Technical Choice”.

A razão pela qual os números de consumo de energia nuclear no cenário “Business as before” são mais altos do que no cenário “Rational Technical Choice” reside nas restrições financeiras que levamos em conta para o cenário “Rational Technical Choice”. Não podemos esquecer os investimentos de capital específicos que são bastante elevados para o desenvolvimento das capacidades das usinas nucleares. Nos cenários “Business as before” e “Net Zero”, não há essas restrições, de modo que a previsão de produção nas usinas nucleares é maior. No “Business as before” não levamos esse fator em conta, pois isso não é necessário se nos próximos 28 anos o setor energético se desenvolver da mesma forma que nos 20 anteriores. No cenário ‘Net Zero’, não há restrições devido à necessidade de equilibrar o sistema energético com uma proporção muito alta de fontes de energia renováveis intermitentes“, comentou Vladimir Drebentsov, Assessor-Chefe do Diretor-Geral da REA do Ministério de Energia da Rússia, em entrevista para a Newsletter.

No âmbito regional, no cenário “Rational Technical Choice”, a maior parte da produção das usinas nucleares virá da China, o que aumentará significativamente sua capacidade. O segundo lugar será ocupado pelos EUA e Canadá, onde o volume de produção também aumentará significativamente. Em terceiro lugar estão os países da UE e o Reino Unido, onde também se espera crescimento. A geração nuclear aumentará significativamente na Índia, a produção aparecerá nos países da União Econômica Euroasiática (UEE) e um volume significativo será adicionado nos países da África Subsaariana (o termo usado em “Cenários 2050”). A produção aumentará ligeiramente nos países da América Latina. Na Rússia, a geração nuclear permanecerá praticamente inalterada no período 2030-2050: de 49,9 mil tep crescerá para 51,4 mil tep. O volume total de geração nuclear neste cenário será de 800 milhões de tep em 2030 e pouco mais de 900 milhões de tep em 2040.

No cenário “Net Zero”, as proporções mudarão. O principal aumento e volume da geração nuclear será fornecido por outros grupos da região Ásia-Pacífico (ou seja, países fora da China, Índia e países asiáticos da UEE). Um crescimento mais significativo será apresentado pelos países da África Subsaariana, do Oriente Médio e do Norte da África, da Índia e da Rússia. Na Rússia, em 2030, a produção de usinas nucleares será de 60,87 mil tep; em 2040, de 93,5 mil tep; e em 2050, de 120 mil tep. O volume total de geração nuclear neste cenário em 2030 será de quase um bilhão de tep, em 2040, em torno de 1,44 bilhão de tep.

Conclusões gerais

Quase todas as equipes com as quais os autores de “Cenários 2050” compararam seus resultados também consideraram pelo menos três cenários para o desenvolvimento de longo prazo da energia global. O conjunto “padrão” inclui cenários como “Business as before” (muitas vezes chamado de BAU – business as usual), “Rational Technical Choice” (comumente referido como cenários de reforma ou reforma acelerada) e “Net Zero” (alcançar a neutralidade de carbono até 2050). Os autores de “Cenários 2050” acreditam que essa unanimidade ao considerar cenários extremamente diferentes indica que não foram identificados caminhos específicos para a descarbonização da energia global. Esta incerteza é especialmente visível quando se comparam cenários semelhantes em diferentes previsões. No entanto, algumas tendências podem ser discutidas com um grau de certeza considerável.

As consequências cada vez mais visíveis das alterações climáticas não permitirão travar a transição energética mesmo nos anos mais desfavoráveis para os mercados energéticos, como agora. Portanto, o movimento de acordo com o cenário “Business as before” é praticamente excluído.

Por outro lado, os autores de “Cenários 2050” têm sérias dúvidas sobre a viabilidade do cenário “Net Zero”. “Embora alcançar a neutralidade de carbono até 2050 seja atraente, o investimento necessário para alcançá-la excede a capacidade da economia global e pode representar sérios obstáculos para alcançar objetivos de desenvolvimento socioeconômico igualmente importantes (incluindo o ODS 7 da ONU)“, diz o relatório.

Especialistas russos consideram uma transformação menos radical do setor energético global um cenário mais provável do que o “Net Zero”. Suas características, em sua opinião, já são visíveis. Um aumento notável no consumo final de eletricidade afetará todos os setores: transportes, habitação e serviços públicos, indústria. O papel do hidrogênio e dos tipos modernos de biocombustíveis também aumentará, embora em menor escala, no consumo final. É claro que a proporção de eletricidade gerada por fontes de energia renováveis também aumentará. No entanto, os problemas crescentes no equilíbrio das redes e no fornecimento de uma carga de base (constante) à medida que a quota de fontes de energia renováveis aumenta, bem como a intensidade de capital visivelmente mais elevada das fontes de energia renováveis, combinada com uma vida útil significativamente mais curta dos parques eólicos e das centrais solares,  manterá a necessidade de métodos tradicionais de geração de eletricidade. A este respeito, as usinas nucleares isentas de carbono desempenharão um papel importante. No entanto, as centrais a gás e mesmo a carvão também contribuirão para o fornecimento de energia.

O hidrogênio, segundo os autores de “Cenários 2050”, continuará sendo um dos métodos de descarbonização mais caros. Seu uso aumentará principalmente em processos onde não há maneiras menos dispendiosas de reduzir a pegada de carbono.

Especialistas russos acreditam que, como a substituição excessivamente radical de fontes de energia tradicionais baseadas em carbono por fontes livres de carbono não é economicamente viável, é necessário desenvolver a capacidade de absorção dos ecossistemas. Estamos falando, particularmente, de tecnologias como a captura direta de dióxido de carbono da atmosfera e dos oceanos. Essas medidas, de acordo com os autores de “Cenários 2050”, aliviarão o fardo dos difíceis problemas de financiamento internacional para projetos climáticos em países em desenvolvimento.

Outra consequência importante da transição energética é que a diminuição da demanda total por recursos de hidrocarbonetos fósseis reduzirá o comércio mundial. O comércio de novos tipos de energia não compensa a queda no volume do comércio de recursos energéticos tradicionais, principalmente petróleo, que atualmente excede em muito o volume de comércio de qualquer outro recurso natural.

Por fim, os especialistas russos avaliam a probabilidade de haver uma oportunidade de negócios com o uso de tecnologias inovadoras que não sejam de emissão zero, mas de emissão extremamente baixa (energia termonuclear, transferência de energia da Lua, etc.).