Assine o boletim informativo
Fazer sua inscrição
#248Dezembro 2021

Feito na Rússia

de volta ao conteúdo

Ao longo de 2021, falamos sobre os países onde a Rosatom opera, onde faz negócios, organiza programas sociais e constrói relacionamentos com a comunidade local. Gostaríamos de encerrar nossa seção com uma história sobre a Rússia. É aqui que são desenvolvidas e testadas as novas tecnologias, que a estatal passa a oferecer ao redor do mundo.

REATORES VVER-TOI

A abreviatura significa “típico, otimizado, informatizado”. Duas unidades com reatores VVER-TOI serão construídas na NPP Kursk-2.

O VVER-TOI foi desenvolvido com base no projeto AES-2006, de acordo com o qual as unidades da NPP Leningrado-2 e da NPP Novovoronezh-2 foram construídas. A capacidade de cada unidade é de 1300 MW. O VVER-TOI se distingue por uma maior resistência sísmica dos principais edifícios e estruturas, a capacidade de manobra da potência de saída e resistência à queda no edifício do reator, mesmo de objetos pesados ​​como uma aeronave pesando 400 toneladas. O VVER-TOI é capaz de continuar a operação autônoma após a perda de fontes externas de energia elétrica e abastecimento de água. Além disso, o combustível MOX pode ser carregado no reator VVER-TOI.

No final de novembro deste ano, especialistas da Atomenergomash (divisão de construção de máquinas da Rosatom) concluíram a fabricação do primeiro gerador de vapor para a Unidade 2 do NPP Kursk-2. O primeiro gerador de vapor da Unidade 1 foi entregue um mês antes. A previsão é que o último gerador de vapor chegue ao canteiro de obras até o final deste ano.

O gerador de vapor do VVER-1300 tem um design especial – não possui coletor de vapor, que antes ficava na parte superior do gerador de vapor. O vapor sai de um tubo, que está diretamente conectado à linha de vapor. Essas soluções de design aumentam a confiabilidade do gerador de vapor, reduzindo o número de juntas soldadas. Uma maior capacidade de vapor – 1652 toneladas por hora (para o VVER-1200 é 1200 – 1602 toneladas por hora) fornece uma maior potência da unidade de energia.

Em setembro deste ano, o vaso do reator da Unidade 1 foi entregue no canteiro de obras da NPP Kursk-2. O número de juntas soldadas no vaso do reator VVER-TOI em comparação com o vaso VVER-1200 também foi reduzido – de seis para quatro. Devido à ausência de juntas soldadas no núcleo, após 60 anos de operação principal será possível estender a vida útil do vaso do reator por mais 40 anos.

Usinas de energia nuclear de baixa potência com RITM-200

A Rússia foi a primeira no mundo no século 21 a criar uma moderna usina nuclear de baixa potência – a unidade de energia flutuante “Akademik Lomonosov”. Também se tornou a primeira usina térmica nuclear flutuante na história da energia nuclear.

Este ano, a Rosatom intensificou a criação de novos tipos de usinas nucleares. Assim, ficou decidido que o fornecimento de energia do Baimsky GOK (projeto de desenvolvimento da grande jazida de ouro-cobre Peschanka) será feito por quatro unidades de energia flutuante modernizadas. Três principais e a quarta como sobressalente. Sua principal diferença em relação à usina nuclear flutuante é ter outro tipo de usina de reator: não a KLT-40, mas o reator RITM-200S. As unidades de energia flutuante modernizadas contarão com dois RITM-200S com potência elétrica de 55 MW cada. A potência da turbina, que está sendo desenvolvida especificamente para as novas unidades, passará de 50 para 58 MW. As unidades de energia flutuante modernizadas para Baimsky GOK não se destinam ao fornecimento de calor – não há necessidade disso. Os trabalhos de desenho técnico das unidades de energia flutuante modernizadas serão concluídos no primeiro trimestre de 2022.

Após as unidades de energia flutuante modernizadas, será criada uma unidade de energia flutuante otimizada. Sua principal diferença em relação à outra são as dimensões menores do corpo e um novo design. Também está prevista a instalação do reator RITM-200S na unidade otimizada, mas também é possível instalar um reator RITM-400 mais potente com potência elétrica de 200 MW. AOKBM Afrikantov (parte da Rosatom) o está desenvolvendo para o quebra-gelo Leader.  O desenvolvimento de usinas de energia nuclear de baixa capacidade com produção combinada de calor e energia está em discussão com o governo de Kamchatka. E a opção tropical são os estados insulares.

Além disso, a Rosatom, juntamente com o governo da República de Sakha (Yakutia), está trabalhando em um projeto para a construção de uma usina nuclear terrestre na aldeia de Ust-Kuyga, também com o reator RITM-200. O maior consumidor de eletricidade da usina nuclear será a mina com base no depósito de ouro de Kyuchus. O uso de pelo menos 35 MW de eletricidade foi uma condição especial do leilão, onde os direitos de uso do subsolo para a Kyuchus foram disputados.

MBIR

Em Dimitrovgrad (região de Ulyanovsk), o MBIR, um reator de pesquisa de nêutrons rápidos multiuso, está em construção. As obras de concretagem do bloco do reator até a marca dos “+13 metros” já foram concluídas, foi instalada uma laje de piso na base do poço do reator. Vários estudos podem ser realizados aqui, e os cientistas russos já estão sugerindo quais deles. Os recursos do MBIR podem ser usados ​​para desenvolver conceitos de reatores promissores, resolver os problemas de fechamento do ciclo do combustível nuclear, realizar pesquisas fundamentais usando nêutrons frios e ultrafrios, e também estudar e testar materiais e produtos dos núcleos de futuros reatores promissores.

O MBIR é planejado como um projeto de nível internacional. Segundo o diretor-geral da Rosatom, Alexei Likhachev, já estão em andamento negociações com a China e a França para participar do projeto. Alexei Likhachev também convidou a Sérvia. Para quem deseja participar do projeto, foi criado um consórcio “Centro Internacional de Pesquisa baseado no reator MBIR”.

“Breakthrough”

Talvez este seja o mais ambicioso de todos os projetos atuais da Rosatom. O “Breakthrough” está sendo criado para fechar o ciclo do combustível nuclear usando as primeiras tecnologias de seu tipo. Na verdade, ninguém jamais tentou criar um reator rápido com um refrigerante de chumbo, no centro do qual está planejado o carregamento de uma mistura de combustível de nitreto de urânio-plutônio.

Todo o complexo de demonstração experimental de energia consistirá no reator BREST OD-300 (a abreviatura significa “reator de segurança natural rápido com um refrigerante de chumbo de demonstração piloto”), um módulo de fabricação-refabricação de combustível e um módulo de reprocessamento de combustível.

No final de novembro, em Seversk (região de Tomsk), foi concluído o lançamento da laje de fundação do BREST OD-300. A construção das paredes de contorno está em andamento.

A Rosatom também está desenvolvendo outras tecnologias de reator de ponta, como microrreatores, instalações de exploração espacial, um reator de alta temperatura resfriado a gás e muito mais. Falamos apenas sobre aqueles que chegaram mais perto de serem incorporados “em hardware”. A regra de uma empresa estatal é primeiro estudar e dominar as tecnologias mais recentes em casa, para só então oferecer uma solução clara e comprovada aos seus clientes. Esperamos que no próximo ano tenhamos muitos motivos excelentes para falar sobre os novos projetos da Rosatom no exterior.

A Atomenergomash (AEM) é uma divisão de energia da Rosatom e uma das maiores fabricantes russas de equipamentos de energia, fornecendo soluções integradas em projeto, produção e fornecimento de equipamentos para as indústrias nuclear, térmica, petrolífera, naval e metalúrgica. As instalações de produção da empresa estão localizadas na Rússia, República Tcheca, Hungria e outros países.