Assine o boletim informativo
Fazer sua inscrição
#251Março 2022

Primeiro concreto

de volta ao conteúdo

Em 25 de fevereiro, o primeiro concreto foi lançado no local do bloco nº 8 da central nuclear de Tianwan, construção da qual a Rosatom participa. Na China, a estatal está trabalhando na construção de quatro unidades – duas na central nuclear de Tianwan e duas em Xudapu. Aproveitando esta oportunidade, contamos as últimas notícias sobre projetos conjuntos na China.

Três blocos em duas estações já estão em construção, o nº 4 em Xudapu está sendo preparado para o início da construção. Os contratos gerais para a construção dos blocos de Tianwan foram assinados em março e os blocos de Xudapu em junho de 2019. Espera-se que a sétima unidade de Tianwan seja lançada em 2026, a oitava unidade de Tianwan e a terceira de Xudapu em 2027, e a quarta unidade de Xudapu em 2028. Todas as unidades serão equipadas com reatores VVER-1200 geração 3+.

No local da central nuclear de Tianwan, foi estabelecido um grupo de supervisão de projeto. A divisão controla a exatidão da documentação, o trabalho do cliente chinês e seus subcontratados”, — disse Valery Kedrov, Diretor de Projeto de usinas nucleares com Reatores VVER na China, Atomenergoproekt JSC. De acordo com os documentos, a Rosatom está projetando uma ilha nuclear para Tianwan e fornecerá os principais equipamentos nucleares da ilha para ambos os blocos. Para Xudapu, realizará trabalhos semelhantes, além de supervisão arquitetônica, supervisão de instalação e comissionamento de equipamentos.

A cooperação entre a Rússia e a China em termos de construção de centrais nucleares vem acontecendo há mais de uma década. Nós reconhecemos e valorizamos os chineses como parceiros eficazes, bons amigos e assistentes na implementação dos projetos estratégicos mais importantes”, – disse Alexei Bannik, vice-presidente de projetos na China da Atomstroyexport JSC.

Os processos de construção, fabricação e instalação dos equipamentos estão em pleno andamento. Em janeiro de 2022, iniciou-se a instalação de “armadilhas de fusão” na sétima unidade da central nuclear de Tianwan e na terceira unidade de Xudapu. As carcaças já foram instaladas em seu local habitual – contêineres com mais de 156 toneladas cada. O peso total da “armadilha de fusão” é superior a 800 toneladas.

Este é um desenvolvimento russo, parte de um sistema de segurança passiva que impede a liberação de materiais radioativos no meio ambiente durante um acidente com a destruição do vaso de pressão do reator, mantendo fragmentos líquidos e sólidos do núcleo e materiais estruturais. Pela primeira vez na história da construção nuclear, foi instalado na primeira unidade da central nuclear de Tianwan.

No início de janeiro de 2022, a Atomenergomash (a divisão de construção de máquinas da Rosatom) começou a fabricar o tubo de circulação principal para a unidade nº 8 da central nuclear de Tianwan. O tubo de circulação principal com um comprimento total de 146 m conecta os principais equipamentos do circuito primário: o reator, geradores de vapor e bombas principais de circulação. As primeiras partes dos tubos já foram verificadas, processadas e foi aplicado um revestimento anticorrosivo na superfície interna. Também foi concluído o revestimento dos principais tubos de circulação da Unidade Xudapu Nº 3 e da Unidade Tianwan Nº 7. O próximo passo é a montagem dos conjuntos de tubos.

Além disso, no ano passado, a Atomenergomash iniciou a montagem SKD (montagem pesada das principais bombas de circulação) para a unidade nº 7 da central nuclear de Tianwan. Eles fornecem circulação de refrigerante no circuito primário a uma pressão de cerca de 160 MPa e uma temperatura de 300 °C. Para uma unidade de energia, é necessário um conjunto composto por quatro invólucros esféricos do tubo de circulação principal.

Representantes do cliente, a Jiangsu Nuclear Power Corporation (JNPC), estiveram presentes no início do processo tecnológico, e o trabalho está em andamento. A montagem do vaso de pressão do reator para a unidade nº 7 da central nuclear de Tianwan também está em andamento.

A construção de usinas nucleares com reatores VVER-1200 não é a única área de cooperação com a China. A Rosatom também está envolvida na criação do reator CFR-600. Este é um reator de demonstração de reprodutor rápido do tipo piscina refrigerado a sódio de 600 MW. Para isso, a Atomenergomash vai fabricar e fornecer módulos de troca de calor para geradores de vapor – 16 evaporadores e o mesmo número de superaquecedores. E a TVEL (a divisão de combustíveis da Rosatom) produzirá combustível para o CFR-600 TVEL para iniciar o carregamento e recarregar dentro de sete anos. As entregas devem começar em 2023.

Representantes da Corporação Nacional Nuclear da China (CNNC), cliente CFR-600, no verão passado visitaram ZiO Podolsk, a fábrica da Atomenergomash, onde o equipamento para o CFR-600 é fabricado. Conheceram processos tecnológicos e sistemas de gestão.

A construção do CFR-600 começou em dezembro de 2017. A previsão de lançamento é 2024. Este é o segundo projeto de cooperação entre China e Rússia na indústria de energia nuclear de nêutrons rápidos. No Instituto de Energia Nuclear da China com a participação da Rússia, um reator CEFR com potência elétrica de 20 MW foi construído e lançado em 2010.

Há uma interação na esfera científica. O Centro de Pesquisa do Estado – Instituto de Pesquisa de Reatores Nucleares (parte da Rosatom) realizará testes de reatores e estudos pós-reator de amostras de grafite sob irradiação para a empresa chinesa Fangda Carbon New Material Co.

Cientistas nucleares dos dois países também cooperam na esfera social. Em particular, durante o III Fórum Eurasiático de Mulheres, realizado em outubro de 2021 em São Petersburgo, foi realizada uma teleconferência internacional para mulheres que trabalham em organizações da indústria nuclear na Rússia e na China. Funcionárias da Corporação de Energia Nuclear de Jiangsu e da Usina de Construção de Máquinas (parte da TVEL) participaram. Elas falaram sobre as dificuldades que as mulheres enfrentam ao escolher uma carreira na indústria nuclear, o que as motiva a continuar e quais práticas existem nas empresas para envolver as mulheres em atividades científicas, técnicas e de pesquisa.