Suscríbase al boletín informativo
Suscribirse
#247noviembre 2021

O grande benefício de uma usina pequena

volver al Contenido

As usinas nucleares de baixa potência foram um tópico de grande interesse para os participantes do fórum internacional Semana de Energia da Rússia – Russian Energy Week (REN). Houve quatro fortes argumentos em apoio às usinas pequenas: previsibilidade de preço a longo prazo, respeito ao meio ambiente, custos de capital comparativamente baixos e eficiência na produção de hidrogênio. Um novo projeto Rosatom, a construção de unidades nucleares flutuantes para alimentar a mina Baimsky, já está bem encaminhado.

«Há satisfação por finalmente sermos ouvidos. O fato de o setor da energia nuclear ter começado a ser falado de forma mais favorável e com mais esperança nas últimas semanas não pode deixar de ser encorajador. A tendência neste momento é a mesma: todos precisam de um sistema energético estável, sólido e previsível. O custo e, mais importante, a previsão desse custo e, claro, o componente ambiental também são fatores importantes», disse Alexei Likhachev, CEO da Rosatom, na REN.

Alexei Likhachev corroborou com números a tese de que a energia nuclear é fundamental para alcançar emissões zero globalmente. No final de 2020, a quota de geração a partir de fontes renováveis na Alemanha era de quase 45%. Na França – 25%. A parte da energia nuclear na Alemanha é de 11%. Na França, é quase 70%. As emissões em 2020 na Alemanha serão de 617 milhões de toneladas de CO2 equivalente (um valor estimado introduzido para facilitar a comparação da atividade de efeito estufa de diferentes gases), e na França – 272 milhões de toneladas. E isto apesar de, segundo a AIEA, a produção de eletricidade da Alemanha em 2020 ser de 60,9 TWh e a da França de 379,5 TWh. «Devemos passar de slogans e cartazes pedindo a solução de problemas ambientais para números concretos», disse Alexei Likhachev.

O líder principal da Rosatom também justificou o benefício para os consumidores de energia nuclear em números. Cerca de 6 rublos. (US$0,08 por kWh) vai custar à futura planta de mineração e processamento Baimsky em Chukotka. É um grande projeto de mineração para desenvolver a jazida de cobre-ouro de Peschanka. «Acho que esta ideia é simplesmente brilhante. Duas opções foram consideradas: uma usina a gás ou flutuante movida a energia nuclear. E não duvido nem por um segundo, especialmente tendo em conta os recentes desenvolvimentos no mercado do gás, que a escolha a favor da energia nuclear seja absolutamente correta. Precisamos de uma garantia a longo prazo de preços estáveis. E o que estamos fazendo com a Rosatom, eu acredito, será uma das soluções mais avançadas do mundo», disse Oleg Novachuk, presidente do conselho de administração da KAZ Minerals. Também é importante que, graças à geração de energia nuclear sem carbono, o cobre e o ouro de Baimsky não sejam sujeitos aos tributos sobre o carbono. «O desenvolvimento de regiões de difícil acesso sem usinas flutuantes é impossível», garantiu Oleg Novachuk.

Quatro unidades de potência flutuante modernizadas serão construídas para Baimsky. A sua vida útil é de 40 anos, com possibilidade de prolongamento. O contrato entre Atomenergomash e Atomflot (duas organizações parte da Rosatom) foi assinado em outubro deste ano. O valor do negócio foi de 190,2 bilhões de rublos. As unidades de potência flutuante modernizadas serão equipadas com praticamente os mesmos parâmetros da carcaça da única central nuclear flutuante operacional do mundo, a Akademik Lomonosov. Mas a central do reator será diferente. Em vez do KLT-40 com uma capacidade elétrica de 35 MW será instalado o RITM-200S com uma capacidade elétrica de 55 MW. A turbina também será mais potente. Além disso, a unidade de potência flutuante modernizada para Baimsky não vai gerar calor como outra usina central flutuante – não há necessidade disso. O espaço de vida será reduzido, pois algumas das funções serão transferidas para a costa. Outra diferença é que não haverá área de transbordo na unidade de potência flutuante modernizada; o combustível será recarregado na base de Murmansk da Atomflot, semelhante ao que acontece com os quebra-gelos.

As unidades-chave já foram contratadas. Oito unidades do reator serão fornecidas pela Afrikantov OKBM (parte da Atomenergomash). «A fábrica Kirov Energomash (parte do grupo de empresas da fábrica Kirov) fornecerá oito unidades de turbinas a vapor.

A Atomenergomash deverá entregar as duas primeiras unidades de potência flutuantes modernizadas à Atomflot até ao final de 2026, com a execução completa do contrato até 31 de julho de 2031.

Uma usina nuclear de baixa potência é rentável não só em versões flutuantes, mas também em versões terrestres. O líder da República de Sakha (Yakutia) Aisen Nikolaev disse na REN que, devido à falta de fornecimento centralizado de energia, o custo da eletricidade em Yakutia, a maior região da Rússia, é alto para muitos assentamentos, já que o diesel deve ser utilizado. Por exemplo, 1 kWh na aldeia Belaya Gora de Yakutia custa mais de 100 rublos (U$$1.4), por isso as autoridades estão à procura de todas as oportunidades para poupar dinheiro.  «Se queremos implementar grandes projetos industriais aqui, no Ártico, na ausência de fornecimento de energia, é claro que as mais seguras, econômicas e rentáveis, na minha opinião, são as usinas nucleares», ressaltou Aisen Nikolaev. «O preço da eletricidade será muitas vezes mais baixo do que é agora», confirmou Alexei Likhachev.

Em Yakutia, a Rosatom construirá uma usina nuclear terrestre com um reator RITM-200, que garantirá o desenvolvimento comercial do depósito de ouro de Kyuchus. Assim, de acordo com o líder de Yakutia, a fonte de energia ecológica ajudará a superar a “fome” energética.

O interesse nas usinas nucleares flutuantes de baixa potência está crescendo. Segundo Mikhail Chudakov, Diretor Geral Adjunto da AIEA e Diretor do Departamento de Energia Nuclear, muitos países se interessaram por elas após o lançamento da Akademik Lomonosov. Os estados insulares das Filipinas, Malásia e Indonésia estão estudando as usinas nucleares flutuantes de baixa potência. As pequenas centrais não requerem grandes investimentos iniciais para a construção e infraestrutura energética. E mesmo para a produção de hidrogênio por eletrólise, usinas nucleares de baixa potência são mais adequadas do que as instalações de geração de energia renovável promovidas para este fim. As centrais nucleares produzem 75-80 vezes mais energia do que consomem. Os painéis solares só duplicam isso. «A geração de energia nuclear é precisamente adequada para produzir hidrogênio mesmo por eletrólise», ressaltou Mikhail Chudakov.

Atomenergomash (AEM) é uma divisão de energia da Rosatom e um dos maiores fabricantes de equipamentos de energia da Rússia, fornecendo soluções completas no projeto, fabricação e fornecimento de equipamentos para as indústrias nuclear, térmica, de petróleo, da construção naval e metalúrgica. As instalações de produção da empresa estão localizadas na Rússia, República Checa, Hungria e outros países.