Assine o boletim informativo
Fazer sua inscrição
#248Dezembro 2021

A Uranium One entrou no mercado de lítio

de volta ao conteúdo

A Uranium One Holding NV (parte da Rosatom) e a canadense Alpha Lithium Corporation firmaram um acordo de joint venture para desenvolver o projeto de lítio Tollilar na Argentina. Ao chegar à fase de produção, a Rosatom terá se beneficiado da participação na economia verde, já que o ouro branco é considerado um metal crítico na criação de sistemas de armazenamento de energia.

Este é o primeiro negócio que a Uranium One fecha para o capital de uma empresa que detém os direitos de exploração e produção de lítio. Pelo acordo, a Uranium One adquirirá 15% da recém-formada Alpha One Lithium BV por US$ 30 milhões, enquanto os 85% restantes serão detidos pela Alpha Lithium Corporation. A nova joint venture será a única proprietária da argentina Alpha Argentina SA, que detém os direitos de exploração e produção do depósito de lítio Tolillar. A licença inclui dez concessões com uma área total de 27,5 mil hectares no Salar Tolillar, na província de Salta, no norte da Argentina.

Esta é uma das áreas mais promissoras, pois está localizada em dois “triângulos de lítio”. Trata-se das províncias argentinas de Jujuy, Salta e Catamarca. Faz parte de um triângulo maior formado pela Argentina, Bolívia e Chile. De acordo com as estimativas atuais do instituto de Pesquisa Geológica dos EUA, três países respondem por cerca de 50 milhões de toneladas de lítio de um total de 86 milhões de toneladas de recursos mundiais.

Outra vantagem do projeto é a localização relativamente próxima da infraestrutura de energia e transporte, que é um fator importante que afeta o volume de investimentos no projeto.

O projeto está em um estágio inicial de desenvolvimento – o volume de exploração e análise, de acordo com o laudo geológico dos resultados primários da exploração, que a empresa divulgou em outubro de 2019, ainda é pequeno. Nos próximos dois anos e meio estão previstos trabalhos adicionais de exploração, construção de uma produção piloto e confirmação de parâmetros tecnológicos. Um estudo de viabilidade para a construção de uma planta de carbonato de lítio em grande escala também será preparado.

A participação da Uranium One no projeto ainda é pequena. No entanto, pode crescer após a conclusão do estudo de viabilidade. Se o projeto apresentar a viabilidade econômica esperada, a participação da Uranium One, de acordo com o negócio já firmado, poderá crescer para 50% com investimentos de até US$ 185 milhões. Quando a opção for feita, a Uranium One receberá o direito de adquirir 100% do produto.

O acordo prevê ainda o cumprimento de condições prévias, após as quais as partes poderão exercer plenamente os seus direitos e cumprir as suas obrigações.

“Estamos muito satisfeitos em iniciar uma parceria com a Uranium One. A capacidade da empresa de entregar projetos industriais de grande escala e sua extensa experiência global em operações de mineração e processamento são inestimáveis ​​para o sucesso do desenvolvimento e operação da mina de Tolillar. “– disse Brad Nichol, Presidente e CEO da Alpha Lithium.

“O lítio é um material essencial para o fornecimento de recursos para a economia verde do futuro. O desenvolvimento desta linha de negócios é estrategicamente importante para a Rosatom. O projeto na Argentina será executado de acordo com os princípios do desenvolvimento sustentável. Pretendemos desenvolver o projeto, levando em consideração os interesses das comunidades locais, utilizando tecnologias inovadoras que tenham um impacto mínimo no meio ambiente, apoiando programas de cooperação científica e técnica ”,– disse o presidente da Uranium One Group JSC (controladora Uranium One Holding NV), Andrey Shutov. Ele também ressaltou que a empresa está avaliando outros depósitos de metais raros.

Vale destacar que a Rosatom está desenvolvendo ativamente dispositivos de armazenamento baseados no uso de baterias de íon-lítio. A RENERA (parte da TVEL) possui ativos de produção na Rússia e na Coreia do Sul, onde uma cadeia de produtos é fabricada, desde células individuais a sistemas de armazenamento de energia prontos para uso. Além disso, em setembro deste ano, a RENERA anunciou que iria construir uma “gigafábrica russa” – uma planta para a produção de células de íon-lítio e sistemas de armazenamento de energia no local da NPP do Báltico. Presume-se que começará a funcionar em 2026. A capacidade do empreendimento será de no mínimo 3 GWh por ano.

Carbonatos de lítio são a principal matéria-prima para este segmento, e o crescente interesse por depósitos de lítio está diretamente relacionado à crescente demanda por baterias de lítio.

De acordo com a AIE, a demanda por lítio crescerá de 74 mil toneladas em 2020 para 242 mil toneladas em 2030 no cenário de referência e até 461 mil toneladas no cenário de desenvolvimento sustentável. Em 2040, esses números crescerão para 373 mil toneladas e 1,16 milhão de toneladas, respectivamente. Os principais consumidores não serão apenas o segmento de veículos elétricos, mas também o segmento cada vez mais crescente de dispositivos de armazenamento no setor de energia elétrica. Eles são necessários tanto para grandes usinas quanto para geração distribuída, a fim de poder estabilizar a produção desigual de eletricidade de fontes renováveis.

TVEL é a divisão de combustível da Rosatom e uma das maiores fornecedoras mundiais de combustível nuclear. A TVEL é a fornecedora que detém o monopólio de combustível nuclear para todas as centrais nucleares russas, navios e reatores de pesquisa da Rússia. A TVEL abastece usinas nucleares em 15 países, ou a cada seis reatores de energia do mundo.

A Uranium One é um grupo internacional de empresas, parte da gestão do grupo TENEX de empresas da Corporação Estatal Rosatom, uma das maiores empresas de mineração de urânio do mundo, com um portfólio diversificado de ativos internacionais no Cazaquistão, Estados Unidos da América, Tanzânia, Namíbia.