Suscríbase al boletín informativo
Suscribirse
#253mayo 2022

Fornecedores do «sistema nervoso» das usinas de energia nuclear

volver al Contenido

Em abril, a SNIIP, organização de base do serviço de metrologia da Rosatom, celebra seu 70º aniversário. A empresa faz parte da Rusatom Automated Control Systems (RASU), divisão da Rosatom para engenharia elétrica automatizada e sistemas de controle. É a empresa responsável pelo desenvolvimento e entrega completa do «cérebro» e «sistema nervoso» das usinas nucleares, ou seja, sistemas de controle, registro e gerenciamento de equipamentos tecnológicos, tanto na Rússia quanto no exterior.

SOBRE A RASU

A RASU foi estabelecida em 2015. Seu principal objetivo é fornecer uma gama completa de serviços em todas as etapas do ciclo de vida dos sistemas de controle de processos utilizados na indústria nuclear, bem como em outros segmentos da indústria.

O ano passado foi um ano de sucesso para a empresa, com a receita e o portfólio de pedidos de novos produtos crescendo 26% e 30%, respectivamente. Na Rússia, em 2021, a RASU concluiu um pedido para atualizar o sistema de informação e computação da 1ª unidade de energia da central nuclear de Rostov e forneceu os equipamentos para parte do sistema de controle de processo para toda a planta e as duas unidades de energia da usina nuclear Kursk-2. No mesmo ano, a RASU entregou os primeiros lotes de equipamentos para os sistemas de controle de processo da central nuclear de Rooppur, de Bangladesh,e a planta Akkuyu,da Turquia. Equipamentos para sistemas de proteção de relés foram enviados para a Índia, assim como sistemas de controle e gerenciamento de equipamentos elétricos para sistemas automatizados de controle de processos, que foram destinados à 3ª unidade de energia da usina nuclear de Kudankulam.

A RASU orgulha-se de participar na fabricação de equipamentos para a usina nuclear bielorrussa, que é a primeira usina nuclear de design russo construída no exterior a estar equipada com um sistema de controle de processo automatizado, que inclui cerca de 20 sistemas. O sistema de controle de processo automatizado está localizado no «PORTAL» (que significa «Software Licenciado para Sistemas Distribuídos de Automação Tecnológica»). É um sistema de controle e gestão de supervisão que começou a ser desenvolvido no início dos anos 2000. O sistema recebe dados, os processa, calcula, arquiva, fornece o controle do equipamento do sistema de controle e sincroniza bancos de dados uns com os outros. Graças ao PORTAL, o pessoal da usina nuclear tem informações completas, atualizadas e confiáveis sobre o processo tecnológico e o equipamento da planta. A primeira versão do PORTAL está em operação nas unidades de energia da usina nuclear Leningradskaya-2. Uma versão modernizada foi instalada na central nuclear da Bielorrússia. Em particular, os processos de gerenciamento de informações foram automatizados e o autodiagnóstico de hardware e software foi aprimorado.

O PORTAL foi usado como base para o Sistema de Nível de Bloco Superior, que é um centro único de controle de supervisão para todos os subsistemas de processo automatizados.

Além disso, a RASU forneceu um sistema de segurança totalmente russo para a central nuclear da Bielorrússia: TPTS-SB (um kit de ferramentas de automação), que atende a todos os requisitos pós-Fukushima da AIEA. Em primeiro lugar, é o princípio da diversidade, o que significa que os canais de segurança devem ser implementados em hardwares diferentes, controlados por softwares diferentes e ter princípios de dispositivos diferentes para que o mesmo tipo de erro não cause falhas em todos os sistemas. Em 2020 o sistema TPTS-SB recebeu um certificado internacional de conformidade com todos os requisitos. Em junho de 2021, a União Europeia reconheceu a patente do sistema. Este sistema será instalado na central nuclear de Rooppur e também está sendo preparado para a central nuclear de El-Dabaa.

A RASU também desenvolve a linha de equipamentos eletrotécnicos. Em particular, a empresa possui dispositivos completos de baixa tensão certificados de acordo com as normas internacionais. Uma linha de gabinetes para dispositivos completos de baixa tensão foi desenvolvida e agora está sendo fabricada na Rússia. A princípio pode parecer que construir um quadro de distribuição e controle é simples e tedioso. Mas é preciso lembrar que é o aparelho de distribuição e controle que é responsável pelo fornecimento de energia ao equipamento, e a falta de fornecimento de energia para as bombas foi a principal causa do acidente em Fukushima. É por isso que a confiabilidade dos gabinetes é agora uma alta prioridade: eles devem ser resistentes a terremotos, os módulos removíveis devem suportar pelo menos 400 ciclos de inserção e remoção, e os equipamentos devem continuar funcionando mesmo em temperaturas tropicais, as pequenas portas não devem ser abertas por um curto-circuito de 100 kA – e tudo isso sem ser excessivamente caro para o cliente.

Sobre o Instituto SNIIP

O SNIIP (Instituto de Pesquisa Científica Especializada em Engenharia de Instrumentos) é uma das empresas-chave na estrutura da RASU, responsável por todo o ciclo de vida de sistemas automatizados complexos, como o sistema automatizado de controle de radiação, controle da situação de radiação e controle dosimétrico.

 

Em 19 de abril, a SNIIP comemorou seu 70º aniversário. A empresa foi fundada em 1952, na época se chamava Central Design Bureau No.1. Suas tarefas consistiam na criação de instrumentos para o monitoramento de indicadores importantes para a indústria nuclear, que estava em desenvolvimento ativo. Os dispositivos Office Central Design No. 1 (OCD-1) foram instalados na primeira usina nuclear do mundo em Obninsk, depois no quebra-gelo nuclear Lenin e no submarino nuclear Leninsky Komsomol.

O SNIIP também desenvolveu instrumentos para programas espaciais. Em particular, o instituto desenvolveu equipamento científico para o Sputnik-5, que transportou os cães Belka e Strelka para o espaço. Mais tarde, o SNIIP desenvolveu um fantoma esférico com o tecido equivalente ao humano chamado Matryoshka-R. Este fantoma humano é uma verdadeira esfera, feita de uma substância muito semelhante em sua composição e propriedades aos tecidos do corpo humano. Em diferentes profundidades, correspondentes a diferentes órgãos, são instalados dosímetros dentro da esfera, que monitoram o nível de exposição à radiação dos tecidos. Deve-se lembrar que os astronautas não são protegidos pela atmosfera da Terra e, portanto, o risco de danos é maior. O Matryoshka-R vive na Estação Espacial Internacional (ISS).

As soluções do instituto SNIIP foram implementadas nas usinas nucleares de Rostov e Kalinin, também parcialmente na usina nuclear de Beloyarsk e Novovoronezh-2 e na usina nuclear flutuante Akademik Lomonosov.

Até 2030, o SNIIP possui uma grande carteira de pedidos para o fornecimento de sistemas de monitoramento para controle de diversos equipamentos tecnológicos, como sistemas para complexos de processamento de resíduos radioativos sólidos e líquidos, sistemas de controle de nível de refrigerante, detectores internos do reator etc. O fornecimento de sistemas de controle para duas unidades de energia da usina nuclear de Kursk com reatores VVER-TOI. Além disso, foram concluídos contratos de fornecimento de equipamentos SNIIP para as Unidades 1 e 2 de Rooppur e para quatro unidades em Akkuyu.