Assine o boletim informativo
Selecione a região de seu interesse e digite seu e-mail
Fazer sua inscrição
#240Abril 2021

O Japão sob a sombra de Fukushima

de volta ao conteúdo

Quem precisa de energia nuclear no Japão

De acordo com os dados PRIS da AIEA de março de 2021, há 33 usinas nucleares em operação no Japão. Entretanto, apenas nove unidades de energia estão operando em cinco usinas nucleares: Oi e Takahama (Kansai Companhia de Energia Elétrica), Genkai e Sendai (Kyūshū Companhia de Energia Elétrica), e Ikata (Shikoku Companhia de Energia Elétrica). A título de comparação, antes do acidente de Fukushima, 54 unidades de energia estavam em operação, gerando cerca de 30% da eletricidade do país. Em 2019 (não há dados mais recentes), a energia nuclear representava apenas 7,5% da geração de eletricidade. O portal nippon.com aponta que as unidades que receberam permissão para retomar a operação são criadas usando a tecnologia PWR (reator de água pressurizada). As unidades construídas com tecnologia BWR (reator de água fervente), que incluem as unidades de Fukushima Daiichi, ainda não começaram a funcionar.

No Japão, a opinião sobre a energia nuclear é controversa. De acordo com uma pesquisa realizada pelo canal de televisão NHK em novembro-dezembro do ano passado, 50% dos 4.800 entrevistados acreditam que o número de usinas nucleares no país deve ser reduzido. Outros 17% têm certeza de que todas as usinas nucleares devem ser encerradas. Apenas 3% acreditam que seu número deve crescer e 29% acreditam que é necessário que se mantenha como está.

A maioria dos entrevistados (85%) está preocupada com a possibilidade de novos acidentes em usinas nucleares que possam afetar os moradores das áreas vizinhas. Apenas 14% não estão preocupados ou consideram tal evento distante da realidade. 82% dos entrevistados acreditam que o processo de desativação da usina nuclear de Fukushima Daiichi “não está indo bem” ou “algo não está indo bem”.

É curioso que 75% dos entrevistados tenham indicado que a visão do acidente para eles como um todo é “não é muito clara” ou “no geral não é clara”.

Por outro lado, o Japão se comprometeu a reduzir as emissões em 26% até 2030 e atingir a transição para baixo carbono até 2050. Para alcançar estes indicadores, 27 a 30 reatores precisam ser reativados, diz Bloomberg, citando Masakazu Toyoda, CEO e presidente do conselho do Instituto Japonês de Economia Energética.

Representantes da comunidade nuclear japonesa estão certos disso. “Para alcançar a transição completa para baixo carbono e aumentar a autossuficiência energética, o Japão precisa reiniciar a operação de reatores paralisados o mais rápido possível, substituir usinas nucleares obsoletas e construir novas“, disse Takashi Imai, presidente do conselho de administração do Fórum da Indústria Nuclear do Japão em seu discurso de Ano Novo.

Eiji Hashimoto, presidente da Federação Japonesa de Ferro e Aço, também pediu ao governo que reinicie as usinas nucleares em um discurso de final de ano para apoiar os metalúrgicos japoneses, como observou o portal de notícias nucleares mundiais world-nuclear-news.org.

“Além disso, considerando que será difícil conseguir uma transição completa para baixo carbono até 2050 sem a energia nuclear, devemos iniciar uma discussão séria sobre o uso da energia nuclear para obter o apoio das pessoas“, sinalizou a declaração da organização para a futura transformação energética do país.

O governo atual confirmou sua meta de aumentar a participação da energia nuclear para 20-22% até 2030, mas até agora o ritmo da conexão de novos reatores continua baixo.

No final de 2020, o atual governo apresentou sua “Estratégia de Crescimento Ambiental com a transição completa para baixo carbono até 2050”. Os parâmetros existentes são os seguintes: até 2050 a participação das fontes de energia renováveis de vários tipos será de 50-60%, 10% de hidrogênio e amônia e 30-40% de geração térmica e nuclear. Agora estão sendo feitas alterações no programa. “Talvez até o final deste ano seja formalizada uma nova “Estratégia”. Se nenhum outro número aparecer, poderemos dizer que a participação da geração nuclear no Japão ficará no patamar de 20-22%“, supõe Sergey Demin, diretor do escritório no Japão da Rede Internacional Rusatom.

A Rosatom oferece segurança

Atualmente, a principal atividade da cooperação entre Japão e Rosatom é levar a usina nuclear de Fukushima Daiichi a um estado seguro.

Os especialistas da Rosatom desenvolveram uma tecnologia para criar um pequeno detector de nêutrons. O dispositivo é necessário para identificar e recuperar fragmentos de conjuntos de combustível e danos às estruturas internas.

Em janeiro de 2018, um consórcio de várias empresas da Rosatom ganhou uma licitação para estudar as mudanças nas propriedades do cório durante o envelhecimento. O projeto terminou em 2019 e continuou com um novo. Como parte do segundo estudo, que está agora em sua fase final, os cientistas apresentaram uma previsão abrangente das mudanças nas propriedades do cório durante o envelhecimento no momento da extração, transporte e armazenamento.

Outro consórcio está concluindo um projeto para estudar e criar um sistema de coleta da poeira gerada durante a fragmentação dos restos de combustível nuclear derretido nas unidades atingidas pelo acidente da usina nuclear de Fukushima-Daiichi.

Além disso, a TENEX está atualmente discutindo com a TEPCO formas de cooperar no processo de descarga de zeólitos radioativos que foram usados para limpar a água que esfriou os reatores danificados.

A segunda área de cooperação é a energia do hidrogênio. A JSC Rusatom Overseas e a Agência de Recursos Naturais e Energia do Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão estão desenvolvendo um estudo de viabilidade para um projeto piloto de exportação de hidrogênio da Rússia para o Japão.

A atividade mais recente é a cooperação no aproveitamento do potencial da Rota do Mar do Norte. Está prevista a organização do primeiro grande seminário para empresas japonesas em Tóquio, onde representantes da estatal abordarão as vantagens da Rota do Mar do Norte. O seminário será realizado em formato híbrido e reunirá participantes de Moscou e Tóquio.

Para a Rosatom, há um enorme campo de trabalho associado à fase final do ciclo do combustível nuclear, incluindo o descomissionamento e a eliminação das consequências do acidente de Fukushima. Além disso, os projetos de energia a hidrogênio e aproveitamento do potencial da Rota do Mar do Norte podem dar um novo impulso às relações no setor nuclear“, concluiu Sergey Demin.

Discussões sobre resíduos

Um dos fatores controversos sobre a energia nuclear no Japão é a questão do descarte de resíduos radioativos.

No início de março, Junichiro Koizumi, que foi primeiro-ministro do Japão de 2001 a 2006, e Naoto Kan, o presidente que chefiou o governo de 2010 a 2011, inclusive na época do acidente, realizaram uma coletiva de imprensa conjunta. “É notável que ambos pertencem a diferentes espectros políticos e ambos apoiaram a energia nuclear quando eram primeiros-ministros. Mas agora ambos se opõem à energia nuclear como um todo, justificando sua posição com o fato de que não há lugar no Japão para a disposição final de resíduos radioativos devido a riscos sísmicos“, disse Sergey Demin.

Sabe-se que o governo japonês está conduzindo negociações fechadas sobre o armazenamento de resíduos nucleares no exterior. Vários anos atrás, a mídia local publicou algumas histórias sobre as negociações com a Mongólia. Há cerca de um mês, houve relatos de negociações semelhantes com o Canadá. Pode-se supor que o Japão está considerando o descarte de resíduos radioativos em outro país como a melhor opção.

No próprio Japão, em duas cidades da ilha de Hokkaido, Suzzu e Kamoenai, há um debate sobre a colocação ou não de um depósito de resíduos radioativos. Por um lado, mesmo a exploração geológica trará até 2 bilhões de ienes para o orçamento local. Pesquisas de campo de monitoramento indicam até 7 bilhões. Em comparação, a receita tributária regional em Suzza em 2019 foi de 244,2 milhões de ienes. Por outro lado, há a radiofobia dos residentes locais.

Referência

A Rusatom Overseas pertence à Rosatom e é responsável pela promoção de propostas integradas para a construção de usinas nucleares e Centros de Ciência e Tecnologia Nuclear (NSTCs) em mercados estrangeiros. A Rusatom Overseas expande a rede de relações internacionais, atuando como um elo de ligação entre os países clientes e as empresas da estatal.