Assine o boletim informativo
Selecione a região de seu interesse e digite seu e-mail
Fazer sua inscrição
#243Setembro 2021

Impulsionador do crescimento do preço do urânio

de volta ao conteúdo

No mundo pós- Covid, os preços dos metais e a economia global como um todo estão crescendo. Estas são boas condições para o aumento dos preços do urânio.

Os fundamentos da oferta e da demanda são fracos impulsionadores de crescimento.

As observações do mercado de urânio mostram que ele praticamente não reage às mudanças na oferta e na demanda. Nos últimos quase quarenta anos, as mudanças do lado da oferta não afetaram de forma alguma os preços do urânio —  nem mesmo a política das Três Minas na Austrália em 1984–1996, segundo a qual apenas três minas de urânio poderiam operar simultaneamente no país (os preços naquela época, ao contrário, caíram), sem lançamento ou acidente nas minas. O mercado spot ignorou a paralisação da Kayelekera no Malawi em novembro de 2013 e dois acidentes na mina Rio Tinto Ranger e Rossing em dezembro de 2013, após os quais a produção da Rio Tinto foi cortada pela metade. É difícil argumentar que o mercado reagiu ao lançamento da grande mina de Husab na Namíbia no final de 2016 — o preço caiu três dólares em maio, mas depois subiu três dólares em novembro —  dado que, no segundo trimestre do mesmo ano, a Cameco suspendeu a produção em Rabbit Lake, reduziu a produção em McArthur River e interrompeu o desenvolvimento das minas baseadas nos EUA. Em 2019, a produção de óxido nitroso nos Estados Unidos praticamente cessou. Em janeiro de 2021, a produção foi finalmente concluída na mina Ranger, exaurida na Austrália, de propriedade da Rio Tinto. No Cazaquistão, o crescimento da produção foi restringido nos últimos anos. Mas, a partir de março de 2016, os preços de quatro anos não conseguiram superar o patamar de US$ 30 por libra. E, talvez eles não o tivessem superado, se não fosse pela pandemia.

Somente quando, durante o primeiro pico de propagação do coronavírus em abril de 2020, a canadense Cameco suspendeu a produção na maior mina, Cigar Lake, e o Kazatomprom do Cazaquistão anunciou uma redução no número de trabalhadores nas minas e, como resultado do volume de trabalho, os preços dispararam de US$ 24,8 por libra (no final de fevereiro de 2020) para 33,93 (no final de maio). Isso é um impressionante 36,8 %, mas … um pouco mais de US$ 9 por libra em um pequeno mercado de cerca de 130–140 milhões de libras. Então, os preços caíram novamente, e o mercado não percebeu a segunda suspensão da produção em Cigar Lake em dezembro de 2020.

A lógica da oferta e da demanda é tão óbvia que não fica claro por que não funciona no mercado de urânio, no qual o déficit se mantém desde a virada da década de 1990. Em 2019, segundo estimativas da Agência de Energia Nuclear e da AIEA, o mundo produziu pouco mais de 54,2 mil toneladas de urânio. Ainda não há dados para 2020, mas é seguro dizer que esse número será menor do que 2019. Para efeito de comparação, para dotar 444 reatores operando em 30 de junho deste ano com uma capacidade de cerca de 394,2 GW, é necessário passar de 59 mil toneladas (extrapolação dos dados do Livro Vermelho-2020) para 68,27 mil toneladas de urânio (dados da Associação Nuclear Mundial).

Há duas respostas possíveis para a questão de como o déficit pode persistir no mercado por mais de 30 anos: este mercado é transparente, vários anos à frente, em termos de consumo, mas opaco, em termos de oferta. Em primeiro lugar, nem todos os países e nem todos os anos fornecem informações sobre sua produção (por exemplo, Uzbequistão). Em segundo lugar, e isso é o mais importante, não se conhece a quantidade de óxido nitroso nas reservas de empresas de energia, fundos estatais, produtores de urânio, empresas de investimento, etc.

Mercado de metais e crescimento econômico —  possíveis fatores de crescimento

Pode-se presumir que a situação econômica geral e o aumento dos preços dos metais afetam o mercado de urânio. A relação entre os preços do urânio e o estado da economia mundial, e especialmente com os preços dos metais industriais, foi traçada com bastante clareza na segunda metade dos anos 2000 —  início dos anos 2010.

O pico pré-crise em 2007, quando o preço disparou para US$ 136 por libra, não é apenas um evento no mercado de urânio. O impulso da demanda especulativa foi dado pelo aumento geral dos preços dos metais e pelo crescimento da economia mundial, causado pelo aumento da bolha de crédito. Após a crise financeira de 2007–2009 e a recessão de 1,67 % em 2009, a economia global cresceu 4,3 % em 2010. Os preços dos metais industriais se recuperaram após o colapso de 2009 e ultrapassaram o nível de 2005. O preço spot do urânio também cresceu em 2010, principalmente no segundo semestre do ano. O preço spot médio em 1º de janeiro de 2011 era de $ 72,63 por libra, excedendo até os preços de longo prazo.

E então aconteceu o acidente de Fukushima, e a correlação do urânio com outros metais começou a parecer uma tendência lenta. Por exemplo, em 2015, os metais industriais estavam caindo, enquanto o urânio mostrava uma estabilidade incrível. A economia mundial cresceu 2,87 % naquele ano. Mas em 2016, quando o crescimento do PIB mundial desacelerou para 2,6 %, o preço spot do urânio despencou abaixo de US$ 18 por libra —  o nível mais baixo desde 2004. Em 2017, a economia mundial cresceu 3,3 %, os preços do cobre, níquel e alumínio aumentaram, os preços do minério de ferro também foram geralmente mais elevados do que no ano anterior e os preços do urânio, pelo contrário, caíram. Em 2018, os preços dos metais ferrosos e não ferrosos caíram, o crescimento econômico global desacelerou para 2,98 %, enquanto os preços do urânio subiram de um mínimo de 21 naquele ano para mais de US$ 29 por libra.

Aumento pós- Covid

“A economia global deve crescer 5,6 % em 2021, o ritmo mais rápido de recuperação de uma recessão em 80 anos, impulsionada principalmente pela forte recuperação da atividade econômica em vários países grandes.”- é o que se lê na edição de junho do World Economic Outlook — P erspectivas Econômicas Mundiais —  do Banco Mundial.

Uma das consequências do coronavírus para a economia mundial é o crescimento dos ativos financeiros. “A riqueza financeira global atingiu um recorde histórico de US$ 250 trilhões no ano passado em meio a economias crescentes e resiliência inesperada dos mercados em meio à prolongada pandemia de COVID-19.”- diz o relatório anual do The Boston Consulting Group (BCG). Na comparação com o ano anterior, o crescimento foi de 8,3 %. O relatório também observa que muitos clientes de gestão de fortunas se interessaram por investimentos alternativos em 2020 em um esforço para gerar retornos mais elevados. Em outras palavras, se formaram estoques de dinheiro no mundo, que devem ser investidos em algum lugar para que não se depreciem.

Além disso, em 2021, houve uma onda de demanda por metais industriais. Se em janeiro de 2020 o preço do minério de ferro estava abaixo de US$ 100 por tonelada, em janeiro de 2021 já estava em torno de US$ 170 por tonelada, e em maio subiu para quase US$ 220 por tonelada. O cobre valia cerca de US$ 2,59 a libra no início de 2020, US$ 3,1 a libra no início de 2021 e disparou para quase US$ 4,8 a libra em maio. Até recentemente, o alumínio estava se recuperando. Em abril, o preço caiu para $ 1.406 por tonelada e, em maio de 2021, passou para mais de $ 2.520 por tonelada. Alumínio, minério de ferro, aço, cobre são os metais industriais que parecem sustentar o urânio.

Como essa sustentação acontece? De forma alguma, todas as compras no mercado de metais são contratos com consumidores reais: algumas das transações são especulativas. Isso significa que as instituições financeiras, ou melhor, os verdadeiros gestores que ali trabalham, acreditam que podem ganhar dinheiro com a revenda de metais e derivados. Qualquer que seja. Todos os metais são considerados, incluindo o urânio. E, de forma puramente estatística, há mais pessoas que decidem que o urânio também é um meio interessante que merece investimento.

O fato de o urânio começar a ser considerado uma boa ideia de investimento é evidenciado pelos processos ocorridos no primeiro semestre deste ano. Várias empresas de exploração de urânio e instituições financeiras adquiriram um total de aproximadamente 10,5 milhões de libras de óxido nitroso nos primeiros quatro meses de 2021. Os compradores, incluindo empresas de exploração de urânio, indicaram em seus comunicados que estão usando o urânio como meio de investimento.

Além disso, as empresas de urânio estão conseguindo arrecadar dinheiro para financiar suas atividades. “Pelos meus cálculos, desde meados de fevereiro, vimos cerca de US$ 800 milhões arrecadados por empresas de urânio no setor de urânio, o que não acontecia há muito tempo”, —  disse Andre Liebenberg, CEO da Yellow Cake Uranium, em uma entrevista a MetalNews. com. A própria Yellow Cake Uranium planeja aumentar o volume de urânio comprado de 9 para 15 milhões de libras.

Isso sugere que o mercado financeiro está gradualmente começando a considerar o urânio como um meio de investimento promissor e de boa liquidez.

Representantes da comunidade de investidores esperam um aumento no preço do urânio devido ao posicionamento da indústria nuclear como livre de carbono e, portanto, a mais adequada para a atual agenda climática e ambiental. Aparentemente, a energia limpa se tornará uma das principais recebedoras de bônus do desenvolvimento econômico nas próximas décadas.

As esperanças de uma nova rodada de desenvolvimento da indústria nuclear são tão grandes que até encobrem o temor de possíveis acidentes. Nesse sentido, a lógica do analista da Bloomberg Intelligence, Simon Chan, é curiosa. “A segurança é sempre um foco de atenção para o setor nuclear devido ao seu potencial impacto. Acreditamos que os recentes problemas em Taishan podem aumentar a atenção sobre a segurança, mas a perspectiva de crescimento de longo prazo deve permanecer intacta”, —  disse ele à mining.com.

A combinação de fatores — o crescimento da economia mundial, os ativos financeiros e os preços dos metais industriais, acompanhados dos esforços da indústria nuclear para incluíla entre as tecnologias ambientalmente amigáveis e favoráveis ao clima —  pode de fato levar a um aumento dos preços do urânio. Para simplificar em poucas palavras — “ então quando, se não agora?”

É inútil tentar adivinhar até que ponto o aumento dos preços pode ser significativo. O quão sustentável dependerá da situação da economia: se a recuperação econômica global após a Covid será longa e estável, o aumento dos preços dos metais industriais, a necessidade de energia elétrica limpa. A situação política mundial também é importante: possibilidades da China para a construção de usinas nucleares, levando em conta as sanções americanas, a exclusão do mercado de empresas de licitações para construção de usinas nucleares em um contexto de complicações políticas, como aconteceu com a Rosatom na República Checa, e a inclusão da energia nuclear na Taxonomia Europeia.