Assine o boletim informativo
Fazer sua inscrição
#251Março 2022

Resultados do Setor Energético em 2021

de volta ao conteúdo

2021 foi um ano de choque para o setor de energia, especialmente para o segmento de combustíveis fósseis. Analisamos o que compôs a crise do ano passado e resumimos os resultados de 2021.

Em 2021, iniciou-se uma rápida recuperação econômica, causada pela saída das restrições em relação à pandemia. De acordo com o relatório Global Economic Prospects do Banco Mundial, lançado em janeiro de 2022, o PIB global cresceu 5,5% em 2021. A recuperação econômica provocou um aumento da demanda de energia. Os maiores consumidores com deficiência de energia – Europa e os maiores países asiáticos – Índia e China tornaram-se concorrentes pelo fornecimento.

A alta demanda por gás se deve em parte às exigências climáticas e ao desejo de substituir o carvão poluente por um gás mais limpo. Em abril de 2021, o secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da China, Xi Jinping, disse na cúpula climática de líderes mundiais que o consumo de carvão da China será severamente limitado até 2025 e a partir de 2026 começará a declinar. Na prática, no entanto, provou-se impossível cumprir os requisitos.

Desde a segunda metade do verão de 2021, devido ao aumento da demanda por eletricidade de uma economia em crescimento e um verão mais quente que o normal, a China vem aumentando ativamente sua própria produção e comprando carvão importado. A demanda também aumentou na Índia. Um dos fatores por trás do aumento das importações de carvão para a Índia e a China foram os problemas de produção devido às chuvas em ambos os países e à desativação das minas na China. Como resultado, a China começou a comprar ativamente gás, incluindo GNL.

A demanda por GNL também cresceu na América do Sul.

Ao mesmo tempo, a demanda por gás também aumentou na Europa, onde a economia também começou a se recuperar da pandemia. Segundo a Ember, empresa especialista no mercado de energia, o inverno frio de 2020-2021 acelerou o crescimento da demanda. As baixas temperaturas causaram taxas de bombeamento mais altas dos armazenamentos de gás. Outro fator para o crescimento da demanda por gás foi o menor volume de suas importações da Rússia para a Europa.

O principal problema dos suprimentos russos era a relutância dos consumidores em firmar contratos de longo prazo, já que os preços spot no mercado de gás estavam baixos havia muito tempo – em setembro de 2019, o preço spot no polo TTF na Holanda caiu para US$ 117 por 1.000 metros cúbicos. E o mais importante: os preços estavam abaixo dos preços de contrato. Mas os preços estavam subindo devido à demanda cada vez maior na China, então as tentativas de comprar GNL de quase ninguém na Europa, com exceção da Espanha, que o comprou antes de qualquer outra pessoa, não tiveram sucesso devido ao “prêmio asiático”. O GNL americano, que se esperava na Europa, foi para a China, onde pagaram mais. Como resultado, em dezembro de 2021, o preço spot para entrega no dia seguinte aumentou 585% em relação ao preço de dezembro de 2020, ultrapassando US$ 1.100 por 1.000 metros cúbicos.

Os preços do carvão mudaram muito menos. Conforme observado no Relatório do Mercado de Energia divulgado pela AIE (AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA) em janeiro de 2022, nos Estados Unidos “os preços do carvão permaneceram mais estáveis: os custos do combustível a carvão aumentaram menos de 6% no segundo semestre de 2021 em comparação com o mesmo período de 2020“.

A crise de escassez de energia e os preços crescentes do gás tiveram várias consequências.

Primeiro, na China, tanto os consumidores industriais quanto as usinas de energia foram afetados pela escassez e pelo aumento dos preços da energia e das tarifas de eletricidade. Alguns deles, conforme observado pela AIE, foram forçados a parar, pois seu trabalho se tornou não lucrativo.

Os consumidores industriais em várias províncias e estados de ambos os países experimentaram apagões contínuos. No nordeste da China, província de Liaoning, alertas foram emitidos por vários dias seguidos sobre um segundo nível de escassez de eletricidade, o que significa uma escassez de 10 a 20% da demanda total. Um déficit semelhante foi registrado no sul da China em Guangdong, o segundo maior consumidor de energia. E embora o fornecimento de energia de edifícios residenciais fosse uma prioridade, em algumas províncias, como Liaoning, os consumidores privados experimentaram uma falta total de eletricidade.”, – exemplificaram os especialistas da AIE. Devido a paralisações de usinas geradoras e empreendimentos industriais, o PIB da China, que cresceu 12% nos três primeiros trimestres de 2021, aumentou apenas 8% no ano inteiro.

Há também problemas na Índia. “Punjab experimentou apagões contínuos que duraram até nove horas quando três usinas foram desligadas devido à falta de combustível. No estado de Rajasthan, eles foram forçados a limitar a carga para consumidores industriais e privados em cidades como Jaipur e Jodhpur, e em áreas remotas, o fornecimento de energia foi interrompido por até 12 horas. Em Bihar, a energia foi interrompida por mais de 10 horas por dia. Em outros estados, como Gujarat, Tamil Nadu e Karnataka, havia uma ameaça de limitação de carga devido à geração insuficiente de usinas termelétricas.‘, diz o relatório sobre a Índia.

A segunda consequência é um aumento acentuado do custo de produção de eletricidade na Europa. De acordo com a Ember, devido ao aumento dos preços do gás, o custo da geração de eletricidade na UE, incluindo o custo das emissões de dióxido de carbono e os custos variáveis, atingiu uma média de 255 euros por MWh em dezembro de 2021. Isso é quase sete vezes mais do que um ano antes. O aumento do custo de produção também foi afetado pelo aumento dos preços das emissões – de 33 euros por tonelada em 1 de janeiro de 2021 para 89 euros por tonelada em 8 de dezembro de 2021.

A terceira consequência é a substituição do gás natural pelo carvão nos EUA e na Europa para reduzir o custo de geração de eletricidade. “Em 2021, o aumento dos preços do gás em relação ao carvão reverteu a queda do seu consumo, e muitos mercados passaram a utilizar o carvão, o que provocou um aumento das emissões. De acordo com nossas estimativas, a geração a carvão cresceu 19% nos EUA e 11% na Europa em relação a 2020. Ao mesmo tempo, o volume de geração de usinas a gás nos Estados Unidos diminuiu 3% e na Europa aumentou ligeiramente (4%)“, diz o relatório da AIE. Deve-se notar que a geração de carvão cresceu não só na União Europeia, mas também no Reino Unido.

E, por fim, a quarta consequência, não muito óbvia, mas ainda mais interessante é a substituição da geração por fontes de energia renovável não por carvão, como era antes, mas por gás, pelo menos na União Europeia. Esta é a ideia principal do relatório “Análise do Mercado Europeu de Eletricidade”, divulgado pela Ember em fevereiro de 2022: “Historicamente, o crescimento da geração renovável na Europa levou ao deslocamento da capacidade de carvão como principal fonte de emissões nocivas para a atmosfera. No entanto, como resultado do aumento dos preços do gás no segundo semestre de 2021, a nova capacidade renovável está substituindo a geração de gás. A suspensão do descomissionamento de usinas a carvão na UE retardou a redução das emissões“. Conforme observado no estudo, em 2011-2019, a geração de energia renovável aumentou 42 TWh, enquanto a geração a carvão diminuiu 34 TWh no mesmo período. No entanto, nos últimos dois anos, 44 TWh adicionais de geração renovável substituíram 23 TWh de gás e apenas 7 TWh de carvão.

No entanto, a análise do país mostra que essa tendência é mais um resultado, uma vez que as ações para formar uma cesta de energia diferem em diferentes países. Assim, a Holanda e a Espanha aumentaram de fato a geração renovável, reduzindo drasticamente a geração de gás em 17 TWh (24%) e 15 TWh (18%), respectivamente. Na França, a geração renovável e a carvão substituíram a energia nuclear e a gás aposentadas. A Suécia introduziu energia renovável em vez de nuclear. Na Alemanha verificou-se um decréscimo na produção de todas as fontes de eletricidade, e na Polónia, pelo contrário, um aumento na produção de todas as fontes, com a geração a carvão apresentando o maior aumento – 8 TWh. Finalmente, a Irlanda substituiu o gás e a geração renovável por carvão.

A Ember observou que os eventos do segundo semestre de 2021 foram “um dos maiores choques de preços no mercado de energia desde o embargo do petróleo imposto pela OPEP em 1973“. Já escrevemos sobre as semelhanças das duas crises energéticas na edição de novembro de 2021 da Newsletter. Em seu livro de 1991, “O petróleo: Uma história mundial de conquistas, poder e dinheiro”, o economista americano Daniel Yergin escreveu: “Um choque entre as preocupações com a segurança energética e o bem-estar econômico, por um lado, e as preocupações com o meio ambiente, por outro, parece inevitável, e esse choque terá consequências de longo alcance. Um ponto em que essas duas questões podem se fundir é a conservação de energia. Outra poderia ser o aumento do uso de gás natural” (capítulo “A terceira onda da luta pela proteção ambiental”). É incrível que essa previsão tenha se concretizado em sua plenitude e continue se concretizando em uma nova fase da existência do mercado de energia.

Tanto a AIE quanto a Ember presumiram que os preços futuros da energia cairiam em 2022 e além em suas projeções. No entanto, já está claro que os preços do petróleo, gás e carvão subiram para máximos históricos, e ainda não está claro quando cairão.

De nossa parte, não deixamos de lembrar que uma das principais vantagens da geração nuclear é o baixo componente de combustível no custo de geração de eletricidade e o baixo volume de consumo de combustível. Segundo estimativas aproximadas, para garantir o funcionamento anual da unidade operacional com capacidade de 1 GW, são necessárias apenas 20 toneladas de combustível ou cerca de 200 toneladas de óxido nitroso. A energia nuclear parece um porto seguro em meio à turbulência no segmento de combustíveis fósseis.

Citando Daniel Yergin novamente: “Até que um novo avanço tecnológico seja feito, talvez em um ambiente de energia solar e renovável, a sociedade industrial fica com três grupos principais de fontes com as quais pode contar para novas necessidades energéticas: petróleo, gás e carvão; energia nuclear; economia de energia na forma de melhorias tecnológicas e maior eficiência energética“. Se lermos as últimas recomendações da AIE para a Europa, verifica-se que a previsão do economista continua se cumprindo. Por isso, após o livro de Daniel Yergin, que narra uma das mais comoventes tramas políticas e econômicas do século XX, surge uma sensação paradoxal: crises no mercado de combustíveis fósseis ocorreram, estão ocorrendo e, aparentemente, ocorrerão com frequência. Tanto os consumidores quanto os produtores se beneficiam delas. Mas essas crises passam.

Observamos apenas que até agora não houve crises de abastecimento na indústria nuclear. Esperamos que não venham a acontecer.